sábado, 3 de janeiro de 2015

O CHEF

 

Decidi iniciar o ano com uma série de micro-contos, género que pretendo cultivar, se para isso tiver talento. Eis o primeiro:

 
O CHEF

A relação deles tinha altos e baixos. Para a apimentar decidiu frequentar um curso de chef de cozinha, iguais aos que via na televisão. Durou seis meses e custou-lhe um dinheirão, mas aprendeu como ninguém a fazer uma vichyssoise para arrefecer os ânimos e vol au vent para quando o amor se pusesse a flanar. No fim convidou-a para jantar.
        Foi quando ela poisou o garfo e lhe disse, passa-me o sal, que ele percebeu que tudo estava terminado entre eles.

4 comentários:

  1. Pode ser com o continuar do curso "ele" consiga ter mão no sal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Duvido. Jantar requentado já não é a mesma coisa!

      Eliminar
  2. Nada que uma malga cerâmica de vinho quente não resolva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ajudar a sarar as feridas, mas não resolve quanto ao insosso.

      Eliminar